Atendimento

Museu das possibilidades no Porto do Rio Conteúdo e design expositivo do Museu do Amanhã são apresentados pela primeira vez, em encontro com o arquiteto espanhol Santiago Calatrava e o curador Luiz Alberto Oliveira.

Primeiro museu científico a tratar das possibilidades de construção do futuro, o Museu do Amanhã levará o público a refletir sobre impacto de suas ações no planeta. Seu conteúdo foi apresentado pela primeira vez, no Palácio da Cidade.

Além do físico e doutor em cosmologia Luiz Alberto Oliveira, que assina a curadoria, participaram do encontro o diretor artístico Andres Clerici, que falou sobre o design expositivo, e o arquiteto espanhol Santiago Calatrava, que deu detalhes do projeto arquitetônico, suas características sustentáveis e integração com a Região Portuária. “A forma do edifício busca um sentido de vida, de pertencimento. E precisamos pensar na importância do entorno do Píer Mauá e não só em intervir em um lugar determinado. Temos uma grande área que passa por transformações, e o Museu do Amanhã como parte de um todo. A Praça Mauá tem um potencial enorme de se converter em uma das praças mais belas do mundo”, garantiu Calatrava.

O Museu do Amanhã será um museu de ciências diferente. Os museus de ciência atuam normalmente em duas linhas: uns exploram os vestígios do passado (como os de história natural); outros se voltam para evidências e experiências do presente (como os de ciência e tecnologia). O Museu do Amanhã propõe uma terceira via, a de explorar possibilidades. Por meio de ambientes audiovisuais, instalações interativas e jogos, o público será levado a examinar o passado, manipular as várias tendências da atualidade e imaginar futuros possíveis para os próximos 50 anos. Assim, o Museu conduzirá a uma reflexão sobre os sintomas da nova era geológica do Antropoceno, na qual o homem se tornou uma força capaz de alterar o clima, degradar biomas, interferir em ecossistemas.

“Estamos propondo outra geração de museu, o de perguntas e de explorações de possibilidades. Essa é a grande coleção desse espaço. Para transformar o nosso pensamento, para mudar o nosso comportamento e para abrir a nossa mente. É um conteúdo científico para desafiar a mente, uma abordagem artística para envolver os nossos sentidos e uma interpretação cultural da ciência para tocar as nossas emoções”, explica o curador Luiz Alberto Oliveira.

Para estruturar o conteúdo do Museu, Oliveira – que, na fase de concepção curatorial, trabalhou em parceria com jornalista e professor de cultura brasileira Leonel Kaz – explorou três eixos narrativos. O primeiro é o da polaridade entre as Ciências Cósmicas (que lidam com sistemas demasiado grandiosos ou diminutos) e as Ciências Terrestres (todas as demais, incluindo a Biologia e as Humanidades). O segundo eixo aborda três dimensões da existência terrestre: a história das formações da Matéria; os desdobramentos da organização da Vida e a emergência do Pensamento. Estes domínios serão explorados segundo quatro grandes tendências que, em escala planetária, definirão nosso futuro comum: as mudanças climáticas, o aumento da população e da longevidade; a crescente integração econômica, social e comunicacional; e a multiplicação e diversificação dos artefatos, paralela ao decréscimo dos biomas. O terceiro eixo enfatiza o comportamento humano e a Ética.

Duas grandes diretrizes, a da sustentabilidade e a da convivência, deverão nortear o percurso. O designer americano Ralph Appelbaum assina a concepção museográfica e Andres Clerici, a direção artística. “Não somos partes pequenas. E esse é um dos grandes temas do museu. Somos indivíduos que fazem parte de um todo. Penso nisso todo o tempo, em como criar uma experiência em 360 graus”, explica Clerici.

O Museu do Amanhã será erguido no Píer Mauá, em meio a uma grande área verde. Serão cerca de 30 mil m², com jardins, espelhos d’água, ciclovia e área de lazer. O prédio terá 15 mil m² e arquitetura sustentável. O projeto arquitetônico, concebido por Calatrava, prevê a utilização de recursos naturais do local – como, por exemplo, a água da Baía de Guanabara, que será utilizada na climatização do interior do Museu e reutilizada no espelho d´água. No telhado da construção, grandes estruturas de aço, que se movimentam como asas, servirão de base para placas de captação de energia solar. Com isso, o Museu do Amanhã vai buscar a certificação Leed (Liderança em Energia e Projeto Ambiental), concedida pelo Green Building Council (USGBC).

A construção do Museu do Amanhã está incluída no conjunto de obras da prefeitura realizadas pelo Consórcio Porto Novo, através da maior Parceria Público-Privada (PPP) do país. Assim como as demais intervenções do Porto Maravilha, o projeto orçado em R$ 215 milhões será custeado pela venda dos Cepacs (Certificados de Potencial Adicional de Construção) – sem recursos do tesouro municipal. O Museu conta ainda com investimento de R$ 65 milhões do Banco Santander, seu patrocinador. A inauguração está prevista para 2014.

Para você que ainda não conhece a maravilha que é o Rio de Janeiro, não deixe de comprar sua passagem de ônibus. Acesse o www.transportal.com.br e compre sua passagem em até 6 X sem juros.

Busque sua PASSAGEM AÉREA
Adultos
Crianças
24 meses à 11 anos
Bebês
até 23 meses 
(no colo)
Busque sua PASSAGEM DE ÔNIBUS
Encontre sua PASSAGEM AÉREA
Adultos
Crianças
24 meses à 11 anos
Bebês
até 23 meses 
(no colo)
Encontre sua PASSAGEM DE ÔNIBUS

VEJA TAMBÉM:

Veja Todas >

De segunda à sexta das 09:00 às 18:00 horas (exceto feriados).

Razão Social - Pbcom Assessoria e Participação S/C LTDA
CNPJ - 03.178.230/0001-33
Endereço - Av. Francisco Bicalho nº1,  mezanino, salas 31/34/35, Santo Cristo, Rio de Janeiro - RJ. Cep:20220-310